Epifanias Afetivas

  • Profa. Aline Arruda
  • Qua, 13/Out/2021
  • 44 Visualizações

Você já se perguntou o quanto é importante estar um relacionamento? Quando está só você e seus pensamentos...  O que eles te dizem? Você quer? Você precisa? As pessoas te dizem que precisa ter?

Ok, seja qual for a sua resposta, estando ou não em um relacionamento, o que é importante nele? O que te faz querer estar com outra pessoa? O que você gosta nessa pessoa ou o que busca em alguém?

A sua expectativa está de acordo com o que você vivencia? Qual sua parcela de investimento nisso? O quanto de fato você faz acontecer?

É um pouco estranho, mas seria importante encarar um relacionamento como um treino esportivo: dedicação e dedicação. Tudo bem ficar um tempinho sem se dedicar, mas se você se acomodar, o relacionamento se acomoda também.

Mas para estar com alguém, de fato conectado a alguém, é preciso antes conectar-se consigo, com seus gostos, com suas chatices... sim, elas também. Frase antiga diz que ninguém é perfeito: nem você, nem eu.

O que existem são situações com as quais você não conseguirá conviver e situações ajustáveis. Relacionamentos são combinações, afinidades e paciências. Às vezes você cede um pouco para conhecer o mundo do outro, com cuidado, sem causar um caos, às vezes o outro te invade e é exatamente disso que você precisava para sair da mesmice.

Relacionamentos maduros, saudáveis envolvem três elementos fundamentais: intimidade, paixão e compromisso. O primeiro fala o quanto você se sente à vontade com outra pessoa, sem vergonha, sem receios, de luz acesa, de pijama, com gases na barriga ou alface nos dentes. Saber do outro e falar de si. Em algumas situações, ela vem de um amigo, de uma pessoa que não necessariamente haja um vínculo sexual.

Paixão é outro “rolê”. Envolve o desejo, o sexo, a inesperada e intensa vontade do outro. Estar, consumir, fundir-se ao corpo do outro. O que faz você sentir atração por alguém? Os interesses podem ser muitos, mas a atração mesmo? Você consegue responder rápido? Para algumas pessoas é o físico bem traduzível, para outros, existem alguns pontos a mais: status, interesse e sim, isso também desperta desejos. Por fim, mas não menos importante é o compromisso. Querer estar com o outro, apesar de alguns problemas. E isso não é tão simples assim. Há situações que envolvem filhos e projetos compartilhados, mas acima dos problemas o compromisso de permanecerem juntos.

O amor realizado envolve a junção desses três elementos, e, qualquer associação de dois deles, não três, resulta em outras formas de relacionamentos, também saudáveis, mas não dentro do espectro realização. Há relacionamentos que são feitos de paixão e intimidade, sem compromisso e dá muito certo se as pessoas envolvidas assim concordam. Outros envolvem compromisso e intimidade, sem sexo, sem paixão, e são para algumas pessoas amizades ou casamentos de muitos anos que as pessoas querem permanecer juntas.

Não existe receita para fazer acontecer, mas existe um passo inicial muito importante que é o respeito. Respeite a si mesmo e respeite o outro. Se der certo, comemorem, compartilhem, se não der, deixe ir. Sem mágoas, sem destruições, apenas livre para outras oportunidades.

 

Por Aline Arruda