Ponto de Partida

  • Rafaella Rodrigues
  • Qua, 20/Out/2021
  • 51 Visualizações

Pois bem, já parou para analisar o seu ponto de partida?

O meu surgiu de um desgaste mental de um trabalho anterior. Estava concluindo minha pós-graduação em Marketing e vendas, e o tema do meu artigo final era sobre a minha marca ‘Aquarella’. Saí da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) e mergulhei de corpo e alma nesse projeto que me causa borboletas na barriga.

E lá fui eu, dar continuidade ao meu ponto de partida. Utilizo esse termo, porque de fato tinha o desejo, a vontade de criar, mas não conhecia do processo. E como boa sagitariana que sou, meu lema é: Quem quer faz, quem não quer arruma desculpa. Estudei, pesquisei sobre tecidos, fornecedores e aprendi a costurar. Sim, aprendi a costurar meus amigxs! O desejo era tão grande que decidi, eu mesma irei costurar minhas próprias T-shirts. E assim foi, na raça, sem desculpas e com a ajuda da minha mãe consegui fazer minha primeira coleção de t-shits, ufa!

Fácil? Nunca foi e nem nunca será. Quebrei muito a cabeça, perdi material, errei, errei, errei e acertei.

O que eu quero dizer com isso? Por mais que seja repetitivo e clichê, o seu ponto de partida tem que surgir de você. Muitas vezes atribuímos culpas e desculpas à outras pessoas, mas que na verdade é uma forma que a gente “arruma” para postergar nossos sonhos.

Empreender não é para quem nasce com o bumbum virado para lua ou tem um familiar que pode te ajudar a custear seu empreendimento. É para quem está disposto a correr o risco e fazer valer a pena todo seu esforço.

Ah, deixa eu te falar também. Vai ter muita gente que vai te apoiar, mas vai ter fulano que vai te criticar. E não tem problema, você não pode e não deve agradar todo mundo. Sabe aquele amigo que você acha que pode contar? Pois é, não espere muito. Faça o seu e esteja disposto a ajudar. Algumas pessoas me perguntam se eu já tive vontade de desistir, e eu confesso a você. Sim, várias vezes.

E aí você me pergunta: Como assim Rafa, você tem seu empreendimento, faz o que você gosta e tem vontade de desistir? E mais uma vez eu te respondo: Sim, primeiro porque sou humana, sou um ser pensante que graças a Deus podemos sentir sensações e mudar de opinião. Segundo, porque empreender É DIFICIL mesmo. E terceiro, não menos importante, os perrengues diários (que não são poucos). Lidar com cliente e com o clima organizacional da sua loja não fácil, requer muito AMOR E DEDICAÇÃO.

É aquele velho ditado que sempre compartilho nos meus Stories “quem vê feed, não vê corre” não é mesmo? Vê uma fotinha postada no perfil da sua loja com todo glamour, não imagina como foi nos bastidores. Porém, se você estiver disposto assim como EU em tocar esse barco para frente, seja forte e corajoso, siga seu coração e dê seu ponto de partida.